“Livro Diário Auxiliar” e “Livro Razão Auxiliar”

Nos últimos anos, em razão do SPED Contábil, muito se tem discutido sobre o fato de a legislação fiscal poder interferir nas definições contábeis. Nesta linha surgem questionamentos se pode o fisco exigir que a contabilidade seja detalhando operações fatura por fatura, recebimento por recebimento de Cliente a Cliente e Pagamento Fornecedor a Fornecedor.

De fato, a partir do advento da lei 11638/2007, as normas fiscais não podem mais intervir nas definições contábeis e em suas demonstrações, porém o que devemos observar é que para aquelas empresas que desejam realizar a contabilidade agrupada elas devem possuir demonstrações ou outros livros que atendam as definições fiscais.

Vejamos brevemente a teoria fisco-contábil quanto a alguns livros:

Livro Diário: No Brasil é livro obrigatório desde 1850, ….. Para continuar lendo este artigo, clique aqui.

 

 

%d blogueiros gostam disto: